terça-feira, 28 de junho de 2011

Flor da Noite



Esse perfume que guardo de ti
Não me pertence.
É tão meu quanto o brilho
Da estrela que da existência
Só resta a luz.
A mesma luz que me faltará
À hora marcada
Sem prorrogação
Que por agora
Já me é fraca,
Fosca...
Como a claridade do dia
Metamorfoseando a noite.

                                           Aline Monteiro

“A noite ultrapassou a si mesma, encontrou a madrugada, se desfez em manhã, em dia claro, em tarde verde, em anoitecer e em noite outra vez. Fiquei. Você sabe que eu fiquei. E que ficaria até o fim, até o fundo.”

Caio Fernando Abreu
(Inventário do ir-remediável – Inventário do ir-remediável)

4 comentários:

breno disse...

que orgulho da prima,poeta e Réaliste Infatigable ! lindo texto !

Amor cafona disse...

Liiiiiiiiiiiiindo! *_*

Lianah disse...

Adoreii... xD

inclosed disse...

e eu tenho ficado até o fim, até o fundo! Na maior das esperanças!
Grande mestre Caio.Adorei o blog flor
:*