quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Vírgula



Que amor é esse
Disperso em folhas
De papel,
Poemas alados
Que jamais encontram
Tua direção?!
E outra vez
me transformo em
Sons e letras,
Caligrafia itinerante...
Sou tua vírgula
Marcando pausas...
Prolongadas
Demais
Para o meu gosto...

                                                                Aline Monteiro


“Meu bem-querer
tem um quê de pecado
acariciado pela emoção...”

(Meu bem-querer – Djavan)

Um comentário:

Janete Lacerda disse...

Fosse um ponto e vírgula, um ponto final, logo. Uma reticência seria o mais apropriado para a ocasião.