quinta-feira, 24 de março de 2011

Conclusão



Não.
Não era seu o meu amor.
E o meu de tão seu
Não me pertencia mais...


Aline Monteiro


“Como explicar para alguém e dizer de repente eu te amo para depois explicar que esse amor independia de qualquer solicitação, que lhe bastava amar, como uma coisa que só por ser sentida e formulada se completa e se cumpre? Pois se ninguém aceitaria ser objeto de amor sem exigências”.

Caio Fernando Abreu

(Amor – Inventário do ir-remediável)

10 comentários:

Priscila Rôde disse...

Não se explica. Só se sente, e as vezes, se esquece.

Um beijo.

Aline Monteiro disse...

buscar explicações se tornou algo involuntário quase como respirar e a no final sempre fica uma sensação de tempo perdido...
obrigada pela visita!
bjs

Ana SS disse...

ai, como é difícil o que poderia ser fácil.

Fred Caju disse...

A imagem do Banksy no cabeçalho já me fizeram gostar de cara, e com o conteúdo, então!

Aline Monteiro disse...

obrigada!
Fiquem sempre à vontade!
bjs

menina limão disse...

Oi querida, passei para desejar uma boa semana.
Adorei seu blog, estou seguindo vc e gostaria também de convida-la a ir conferir o meu blog e os meus vídeos, toda semana irei postar um novo vídeos da menina limão, que é minha personagem cômica!
Obrigada,
fica com Deus,
beijos

Lilian disse...

Só quem sente entende.
Amei aqui

Aline Monteiro disse...

Com certeza!

Alicia disse...

Não precisa explicar...senão perde parte da graça;

Alicia disse...

Não precisa explicar...senão perde parte da graça;