sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Irreversível



Não há rima que me caiba
Porque cresci me espalhando
Nos versos que eu tinha...

A poesia me chamou,
Mas não era um convite...

Dispensável é a respiração
Não a poesia...


                                                    Aline Monteiro


“...Descobre-se um amor
Na iminência de perdê-lo”.
(Carpinejar)

3 comentários:

José María Souza Costa disse...

Adorei

dea iana disse...

Puxa vida, que lindo... A última frase fala por si só, ainda que a poesia exija suspiros ;)

Roma disse...

Os poetas sentem de forma tão diferente!São realmente seres de outros mundos,de tantos mundos, às vezes estranhos mas, tão lindos!