sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Interestelar



Quando as estrelas
Começam a surgir
Uma a uma
No céu claro de chuva
A pedir platéia
Para seu espetáculo uni cor
Existe algo que
Ressurge por entre luzes,
Reacende como chama
Sobre cinzas escuras
Buscando sentido
Daquilo que parecia sem resposta...
Então, me desdobro
A entender seus enigmas,
Essa falha de comunicação,
Esse desvio de rota...
Me ponho em fuga,
Leio livros,
Relembro teorias...
Por fim,
Entendo que sou
Um infinito reencontro
Andando em círculos...

                                                                      Aline Monteiro



“Num jogo estranho,
Eu vi a mim mesmo assim como você me conhecia
Quando a mudança chegou,
E você teve a
Oportunidade de me ver por dentro
Embora o outro lado
Seja exatamente o mesmo...
[...]
Embora tenhamos seguido em frente
Para economizar nosso tempo
Somos apenas o que sentimos...”

(On the way  – Neil Young)

4 comentários:

Janete Lacerda disse...

Muito bom, Aline, bom mesmo.

Marvin Cross disse...

Eu admiro demais o estilo da Aline Monteiro, pq ele tem uma certa timidez (assim como ela parece ter), mas ao mesmo tempo ele é intenso e deixa sua marca. Parabéns!!

Lívia Almeida disse...

Legaaaal!!! essa sensação de infinito que os astros nos proporcionam são emocionantes...

xD

TiagoQuingosta disse...

As estrelas não refletem, são luminosas, mas nos fazem refletir, não é verdade?!